Dicas de Filmes pela Scheila: Filme: "Borderline - Além dos Limites (2008)"

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Dicas de Filmes pela Scheila , Filme: "Borderline - Além dos Limites (2008)" , Drama , Erótico ,
Textual description of firstImageUrl

Filme: "Borderline - Além dos Limites (2008)"

Borderline - Além dos Limites
"Quando alguém me ama, eu deveria me sentir bem, confortável, mas eu acabo fugindo. E quando me magoa, eu agarro. É como se tivesse que me machucar."

"Borderline" é um excelente filme que relata a história de uma mulher que apresenta o Transtorno de Personalidade Borderline. É uma adaptação dos romances "Borderline" e "La Brèche" da escritora canadense Marie-Sissi Labrèche. Foi dirigido por Lyne Charlebois e seu lançamento aconteceu em 2008.

Este filme é recheado de frases impactantes como por exemplo: "Meu cérebro é uma Hiroshima. Em meu despertar, um cataclisma. Sou meu pior drama. Pior ainda, eu me achei sem me procurar. Me encontrei e agora não consigo livrar-me de mim. Então, não pergunte porque, eu não posso amar..."
Borderline - Além dos Limites
A história gira em torno de  Kiki (Isabelle Blais) e é mostrada em diferentes fases de sua vida. Após sua mãe ser internada em uma clínica psiquiátrica, Kiki acaba sendo criada pela avó.
Borderline - Além dos Limites
A vida dela antes dos 30 anos é deprimente e está bem longe de ser um conto de fadas. Sexo e bebidas alcoólicas se tornam o seu principal refúgio. Kiki vive diversos relacionamentos destrutivos. 
Borderline - Além dos Limites
Toda a história de Kiki é mostrada em flashbacks, podendo parecer um filme confuso, por isso é preciso o máximo de atenção. E o que observamos claramente neste filme, é o excesso que Kiki coloca em todas as coisas que faz na vida. Ela ama além dos limites, se entrega além dos limites e a consequência é o sofrimento. 
Borderline - Além dos Limites
Nota-se que o maior medo de Kiki é da rejeição, no entanto, no momento em que aparece um homem disposto a amá-la, a garota se perde dentro das suas incertezas e foge rapidamente.
Borderline - Além dos Limites
Apesar da família de Kiki não ser nada normal, ela é uma mulher inteligente, escreve perfeitamente bem e o seu fiel companheiro é um cão, que está presente em todos os momentos importantes.
Borderline - Além dos Limites
"Borderline - Além dos Limites" é uma análise do comportamento humano, o sofrimento que causa nas pessoas que sofrem com o transtorno e a incapacidade de compreender seus próprios pensamentos e sentimentos. É um filme intenso sobre alguém que vive além do limite, no excesso, sem fronteiras.
Borderline - Além dos Limites
É um filme repleto de cenas e frases marcantes: "Não consigo controlar meus sentimentos. Sou descartada, como vômito em um saco de papel. Controlar-me, é difícil. Não posso controlar-me. Eu explodo. Sou minha própria bomba..." É um filme de intensidades. 
Borderline - Além dos Limites
"Borderline - Além dos Limites" é bastante complexo, principalmente por abordar um tema extremamente complexo e pouco conhecido. E recomendo para todos que desejam conhecer um pouco sobre o Transtorno de Personalidade Borderline.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 110 minutos
Gênero: Drama, Erótico
Classificação: 16 anos
Minha Nota: 9,1

17 comentários:

  1. sai de um relacionamento recente com alguém que penso ter também e foi muito intenso e bom e ruim, tudo s]descrito acima está próximo da realidade que vivi em 6 meses, procure cuidados e tenha certo que é muito difícil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Transtorno espiritual porq o psicólogos não pode. Dr diagnóstico espiritual , conheça o amor de Jesus a única saída é com jesus ele sim pode te libertar dessa prisão.

      Excluir
  2. Eu gostaria de conversar com outras pessoas que tem essa condição eu aceitei recentemente que tenho isso e está sendo muito difícil se alguém puder deixa o email ou rede social pra eu entrar em contato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou boderline. 23 anos.
      lorranecst10@gmail.com

      Excluir
    2. Gabriela Vieira Peixoto 30 anos border e bipolar
      gabi.vip1987@gmail.com

      Excluir
    3. Sou boderlaine 24 anos
      Jessicaanjos.1993@gmail.com
      Facebook Jessica Anjos

      Excluir
    4. Ola,recebi meu diagnóstico em 2015, com 27 anos, casada, mãe e uma certa estabilidade que eu achava que tinha, só se descobre um transtorno quando algum sintoma aparece, comigo apareceram todos os sintomas de uma só vez( claro que já apresentava sintomas antes, mas eu só me achava intensa) tive um surto e me caiu nas costas o peso do borderline, experimentei tudo só vez, coisas que eu nunca imaginei fazer, como me machucar.
      Infelizmente ainda estou em uma briga feia, no meio de uma crise pesada onde eu saio literalmente machucada, ainda não aprendi a lidar. Sigo tentando! Se quiser conversar meu email é faelagbv@Gmail.com

      Excluir
  3. Me relaciono com uma pessoa borderline. Fico a disposição para quem quiser conversar
    henrique.sofia@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Também tenho borderline,
    sofro muito por causa disso
    e INFELIZMENTE POR ISSO
    já causei muito sofrimento pro outro
    sem querer.
    É doloroso pra nós e pra quem nos cerca
    principalmente nos relacionamentos amorosos.

    Outro filme que acho interessante e poderia estar aqui
    é Disturbios do Prazer downloading Nancy)
    Nome Próprio com Leandra Leal.
    Suicide Room, Cristine F, Garota Interrompida
    aDOLESCENTES E COQUETEIS,
    Até aquele filme sobre o Tim Maia, ele parecia
    ter borderline também. Ele e a Amy Winehouse.

    Vou deixar meu email caso alguém queira conversar
    fafihsan2014@gmail.com

    Tenho 24 anos e fui diagnosticada há mais de 3 anos,
    antes só me diagnosticavam com depressão.
    Mas tenho problemas emocionais desde o começo da adolescência.

    É complicado, o mais difícil pra mim é lidar com a dor,
    o vazio, a solidão e a raiva.
    O medo do abandono também é muito intenso, cortante e constante,
    mas o pior mesmo é o medo que tenho de machucar
    por não conseguir controlar minha raiva...

    Mas a arte, o canto, a escrita, a poesia, a música
    tem me ajudado muito a extravasar...

    Assim posso ser menos como uma bomba
    e tentar ser mais normal.
    Se for pra ser uma bomba que não seja uma do tipo explosiva,
    mas uma bomba doce de chocolate ou quem sabe uma cherry bomb
    como na música de The Runaways.Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Fabiola, agradeço as sugestões, anotei todas e conforme for assistindo vou escrevendo as portagens. Fico feliz que a postagem esteja ajudando as pessoas que possuem o mesmo transtorno a trocarem experiências.

      Excluir
  5. Natalia, 32 anos. Fiz tratamento para depressão desde os 16, sempre apresentei característica mas fui diagnosticada apenas em 2018 quando "explodi" além do normal.
    Email: Nataliad.reis@yahoo.com.br

    Facebook: TAYA Zita

    ResponderExcluir
  6. Tenho borderline, 24 anos. Estou MUITO assustada, fui diagnoticada recentemente e francamente estou pirando com isso, como se tudo para mim já não fosse uma loucura. Me mutilo com frequência, não consigo controlar minha raiva e sentimentos, faço com que pessoas próximas a mim sofram muito com isso. Procuro por pessoas que queiram conversar sobre o assunto, como lidam com o transtorno ou tentam superar. Já tentei suicídio duas vezes. Email: giselle.c298@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Fui diagnósticada em 2010 e ainda estou em tratamento .... Sofro demais com esse problema

    ResponderExcluir
  8. Adorei o que li. Fui diagnosticada border em 2017. Faço tratamento desde os 19 anos. Já obtive vários diagnóstico, que tinha síndrome do pânico,depressão e por fim bipolar. Fui internada aos 25 anos como sendo bipolar, o detalhe é que após ter alta fui pesquisar sobre bipolaridade e foi quando me deparei pela primeira vez com o Transtorno Bordeline.
    Li e vi que eu me enquadrava mais neste transtorno. Conforme li, mais e mais eu percebia que estava sendo diagnosticada errada. Questionei o profissional que me atendia na época, mas este por sua vez me disse que eu não me enquadrava nos sintomas. Anos se passaram e ir profissionais também. Sei que para um profissional chegar a este diagnóstico é complicado, mas é da minha vida que falamos.
    Hoje tenho 31 anos e diagnóstica Bordeline. Dói não saber dizer o motivo da dor, mas sei que ela está lá.
    O pior da dor é ver o que ela pode causar tanto em nós como também em quem convive conosco.
    Eu vivo intensamente, amo intensamente e desprezo igual. Digo que se tivesse que me resumir em uma palavra seria INTENSA.
    Obrigada Sheila, seu texto ficou ótimo. Disse exatamente e talvez um pouco mais sobre o filme.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pelo seu comentário!