18/10/2017

Filme: "Jejum de Amor (1940)"

"Você é maravilhoso, mas de um modo odioso."

Lançado em 1940 e realizado pelo cineasta Howard Hawks, a partir do roteiro escrito por Charles Lederer, "His Girl Friday" é, sem dúvida, uma das melhores screwball comedy que assisti. Os diálogos ácidos e rápidos prendem a atenção do espectador, não só pelo ritmo frenético das falas, mas também pelo humor engajado. Há piadas para todos os gostos, desde as mais leves até aquelas que beiram o humor negro.

De acordo com as leis brasileiras, o filme encontra-se em domínio público. Está disponibilizado no meu perfil no VK para quem desejar assistir online ou fazer download. Para assistir clique AQUI.

Na trama, conhecemos Walter Burns (Cary Grant), editor do jornal Morning Post, de Chicago. Um jornal sensacionalista com farto noticiário policial.
A principal jornalista chama-se Hildy Johnson (Rosalind Russell), com quem Walter era casado e acabara de se divorciar. Hildy vai até o jornal pedir demissão e avisar que vai se casar no dia seguinte com Bruce Baldwin (Ralph Bellamy), um vendedor de seguros.
Walter se recusa a demiti-la e lhe pede que escreva uma reportagem sobre o assassino Earl Williams (John Qualen), enquanto ganha tempo para tentar separar o novo casal.
Hildy aceita, ela vai até a sala de imprensa do edifício da Corte Criminal, onde é saudada pelos colegas de profissão. Após entrevistar Williams, Hildy volta à sala de imprensa, onde encontra Mollie Malloy (Helen Mack), namorada do prisioneiro. 
Nesse meio tempo Bruce é preso devido uma armação de Walter. Indignada, Hildy decide sair do Morning Post, mas algo acontece e ela continua escrevendo sua reportagem.
"Jejum de Amor" é um filme frenético, nem bem termina um diálogo e já inicia outro, mas boa parte dos risos surgem exatamente dessas falas rápidas, e totalmente afiadas. Além do ritmo alucinante, o roteiro é bem amarrado, conta uma história simples, ágil e inteligente.
A química do casal protagonista é um dos pontos fortes do filme. Cary Grant e Rosalind Russell apresentam uma dinâmica impressionante, os dois juntos são dinamite prestes a explodir, cuja relação amor/ódio e falas sarcásticas arrancam tantas gargalhadas que terminei de assistir o filme com o corpo dolorido de tanto rir.
Irônico e despretensioso, "Jejum de Amor" é um filme atemporal, as situações jornalisticas mostradas não são exclusividade das décadas de 30 e 40, mas ainda estão presentes nos dias atuais. Ainda há muitos profissionais deste ramo que apelam para o sensacionalismo, cabe a nós meros leitores distinguir fatos reais de notícias plantadas. 
Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 92 minutos
Categorias: Comédia, Screwball Comedy, Romance, Drama, Clássico, Domínio Público
Classificação: Livre
Minha Nota: 10,0

Nenhum comentário:

Postar um comentário