20/06/2017

Filme: "Mommy (2014)"

"Não é porque amamos alguém que podemos salvá-lo."

"Mommy" foi escrito, produzido e dirigido pelo cineasta Xavier Dolan. Ganhou o Prêmio do Juri no Festival de Cannes em 2014, ano de seu lançamento. Também concorreu o Palma de Ouro e o Queer Palm no mesmo festival.

Este é o primeiro filme Mumblecore que assisto. O termo trata-se de um movimento do cinema independente americano que vem ganhando bastante destaque em festivais de cinema ao redor do mundo. O subgênero surgiu como uma tentativa de fuga dos clichês impostos pelos filmes hollywoodianos. Os filmes Mumblecore se caracterizam pelo improviso, são filmes de baixíssimo orçamento e elenco não profissional. E convenhamos, investir verdadeiras fortunas num filme não é nenhuma garantia de sucesso, e "Mommy" é a prova disso, filme de baixo custo que agradou a maioria do público e da crítica especializada.
A história gira em torno de Steve (Antoine-olivier Pilon) e sua mãe Diane "Die" Després (Anne Dorval), e se passa no Canadá com um governo fictício que acabara de aprovar a lei S-14, esta permite aos familiares abandonar os jovens problemáticos aos cuidados do governo a qualquer momento, sem precisar dos trâmites legais.
Die é uma jovem mãe que precisa voltar a conviver com seu filho Steve. O garoto de 15 anos normalmente é carinhoso, porém, ele sofre com TDAH mas isso não o impedem de sonhar em estudar na Universidade. Viúva e desempregada, ela faz tudo que está ao seu alcance para evitar que o filho vá para a detenção.
Logo surgem os conflitos entre mãe e filho. E em meio a um turbilhão de problemas aparece Kyla (Suzanne Clement), a vizinha que mora do outro lado da rua, ela passa a cuidar de Steve enquanto sua mãe procura emprego. 
Rapidamente eles se tornam amigos, e aos poucos, Kyla vai se tornando peça chave nessa estrutura familiar, trazendo um certo equilíbrio e a esperança de um futuro melhor.
"Mommy" é um filme instigante e que possui linguagem própria. Aparentemente é um drama familiar, mas que logo se transforma sutilmente numa ficção científica envolvente e recheada de reviravoltas. Vale destacar a fotografia incrível, a tela reduzida (apenas um quadrado no meio durante todo o filme, exceto em duas cenas) prendeu minha atenção logo na primeira cena. A escolha da tela 1:1 faz sentido quando a história vai se desenrolando, tudo é restrito na vida dos protagonistas, e o momento que experimentam a liberdade, eles presenteiam o espectador com uma sequência de pura poesia.
É importante destacar as atuações que, sem exceções, passam veracidade em seus papéis. O trio de protagonistas é digno de Oscar. Ressalto também a trilha sonora escolhida a dedo, as músicas se encaixam perfeitamente na história contada.
"Mommy" é um filme intenso. O cineasta canadense Xavier Dolan é conhecido por aplicar uma forte carga emocional às suas obras, e não foi diferente: assistimos conflitos familiares que provocam um mix de sensações e reações no público. É sem dúvida uma obra-prima que deve ser vista por todos.
Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 139 minutos
Categorias: Drama, Indie, Mumblecore
Classificação: 14 anos
Minha Nota: 10,0


Nenhum comentário:

Postar um comentário