10/10/2016

Filme: "Escritores da Liberdade (2007)"

"Nós temos muito o que dizer as pessoas."

"Freedom Writers" é um filme inspirador, principalmente por ser baseado em fatos reais. Difícil não se encantar com a história da professora que fez a diferença na vida dos seus alunos, tanto ela quanto eles, ensinaram e aprenderam. É emocionante ver e saber que existem educadores apaixonados pelo que fazem.

Escrito e dirigido por Richard LaGravenese, o filme foi baseado no livro "The Freedom Writers Diaries", lançado em 1999, que foi escrito pela professora Erin Gruwell em conjunto com seus alunos. O lançamento ocorreu em 2007.

Quando Erin Gruwell (Hilary Swank) decide ser professora no Instituto Wilson, é visível o brilho em seus olhos e seu entusiasmo pela nova profissão, mas o cenário que Erin tem no seu primeiro dia de trabalho é desanimador.
A relação inicial entre educadora e educandos não foi das melhores. Erin é vista como representante do domínio dos brancos nos Estados Unidos. Seus alunos são imigrantes, negros, filhos de imigrantes latinos e orientais e apenas um aluno branco nesta classe. Todos com dificuldades em escrita, leitura, atenção e concentração.
Além da hostilidade dos alunos, Erin Gruwell ainda tem o preconceito dos professores veteranos por causa de sua empolgação inicial. Brian Beskin (John Benjamim Hickey) é o mais esnobe de todos. Fora da escola, seu pai Steve Gruwell (Scott Glenn), inicialmente demonstra sentir medo da filha trabalhar numa escola de periferia e seu casamento está desmoronando. Mas nada disso desanimou, muito menos acovardou Erin. Ela retorna à sala de aula disposta a se aproximar dos alunos.
Seus alunos são provocativos, mas Erin não se intimida, troca os adolescentes de lugares, promove a integração invertendo os papéis. Aquilo era novidade e ao mesmo tempo um desafio para eles. A educadora procura conhecer seus alunos, suas histórias, sonhos, perspectivas, desafios e necessidades escolares. 
Durante uma aula, Gruwell pergunta à turma quem já tinha ouvido falar sobre o Holocausto. Ninguém levantou a mão. Ela então decide implantar a leitura de "O Diário de Anne Frank", mesmo sem o consentimento de sua supervisora Margareth (Imelda Staunton).
Para incentivá-los a escrever, desenvolver a escrita e também conhecê-los ela comprou diários e os entregou aos alunos. Erin desafia a burocracia, o preconceito e inova. Organiza um passeio no Museu do Holocausto. E vai além disso, arrecada fundos para trazer Miep Gies (Pat Carroll) da Europa, a senhora que escondeu Anne Frank dos nazistas.
"Escritores da Liberdade" mostra que é possível mudar a realidade de alguém através de pequenas atitudes. A educadora Erin Gruwell foi mais que uma excelente profissional, ela foi uma professora humana. Erin mudou as regras da escola onde lecionava, e foi além, conseguiu a doação de 35 computadores (isso em 1992). Seus alunos transformaram os diários em um livro que foi publicado: "O Diário dos Escritores da Liberdade".
"Escritores da Liberdade" é um filme muito bom, que apesar dos clichês, deveria ser visto por todos, pois deixa a mensagem de que é possível mudar a sociedade, nem que seja uma pessoa por vez. Que as pequenas atitudes se tornam grandiosas para aqueles que recebem.
Resumindo: "Escritores da Liberdade" é um filme agradável de assistir, que diverte e desperta o que há de melhor em cada um de nós. Um filme verdadeiro.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 123 minutos
Categorias: Biografia, Drama, Policial
Classificação: 16 anos
Minha Nota: 10,0 

Nenhum comentário:

Postar um comentário