22/06/2016

Filme: "Olhos da Justiça (2015)"

"Ele pode sair do trabalho, ele pode mudar de nome, ele pode destruir o carro... e ainda assim, vou achá-lo."

"Secret in Their Eyes" até tenta esconder o óbvio, mas todos os espectadores mais atentos sabem que se trata de uma refilmagem norte-americana do grande sucesso argentino "O Segredo dos Seus Olhos" que foi agraciado em 2010 com o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Contou com a direção de Billy Ray e o lançamento aconteceu em 2015.

Como era de se prever, o filme não alavancou. Não é um filme ruim, até tem bons momentos, mas não chega nem aos pés daquela tensão que somente a versão original possui. Nem o trio poderoso dos protagonistas conseguiu garantir resultados positivos à obra.

Neste filme existem duas linhas do tempo que ocorrem paralelamente. Na primeira, Ray (Chiwetel Ejiofor) descobre algo que o faz se reconectar a pessoas essenciais quando exercia o papel de investigador do FBI. Simultaneamente, a trama retrocede 13 anos.
A trama volta para 2002, quando dois investigadores do FBI são designados para trabalhar na polícia de Los Angeles para ficarem de olho em possíveis células terroristas que possam estar tramando um novo atentado como o de 11 de setembro. Um deles é Ray e o outro investigador é sua colega Jess (Julia Roberts). Também entra na história a advogada da Procuradoria, Claire (Nicole Kidman). O trio conta com a colaboração de Bumpy Willis (Dean Norri) e Reg Siefert (Michael Kelly).
Mas além de ficarem de olho em grupos de muçulmanos que possam ser, na verdade, terroristas, eles também precisam trabalhar na investigação de outros casos que surgirem no departamento. Um assassinato é investigado pela equipe de Ray e revela-se que a vítima foi Carolyn (Zoe Graham), a única filha de Jess.
O principal suspeito é o jovem Marzin (Joe Cole), que atua como informante em uma mesquita com membros que o FBI julga como terroristas em potencial. Esse fato prejudica o andamento de uma punição, pois Martin Morales (Alfred Molina), autoridade da unidade, não quer arruinar a sua reputação como líder de uma operação com a exposição de um colaborador com potencial de psicopata. 
Voltamos para os dias atuais, Ray continua buscando pistas e finalmente parece ter encontrado um caminho para solucionar o caso. No entanto, quando a verdade vier a tona, muitos segredos serão revelados e um questionamento surge: "Quando a justiça é falha, os fins podem justificar os meios?"
"Olhos da Justiça" tem suas particularidades e consegue manter um clima de suspense durante toda a trama. Porém, algumas sequências semelhantes ao original acabaram inferiorizando esta obra, por exemplo: o espetacular plano-sequência da perseguição no estádio de futebol. A sequência original é fabulosa, chega no limite da tensão e não tem cortes, já neste filme, a cena teve cortes e perdeu todos o seu brilho. 

O destaque vai mesmo para o trio principal, principalmente para Julia Roberts. Podemos perceber claramente o sofrimento da Jess através da sua fisionomia. Sua alegria é visível nas cenas de flashback com sua filha Carolyn, e a melancolia estampada em seu rosto nos dias atuais causa aflição.
Um fato curioso é que Juan José Campanella, diretor do filme original, foi um dos produtores-executivos deste filme. O compositor argentino Emilio Kauderer, que trabalhou no original argentino, acabou trabalhando no remake americano também. Mesmo assim "Olhos da Justiça" não me conquistou. Talvez seja porque sou fã do cinema argentino, também não gosto de refilmagens. Assisto na maioria das vezes por desencargo de consciência, mas raramente um remake vai ser do meu agrado. Na minha opinião remakes deveriam ser proibidos, pois existem milhares de histórias interessantes que poderiam se tornar ótimos roteiros de filmes.
Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 111 minutos
Gênero: Thriller, Mistério, Drama
Classificação: 14 anos
Minha Nota: 7,4

Nenhum comentário:

Postar um comentário