02/06/2016

Filme: "Guerra (2015)"

"Você não pode imaginar o que significa estar do lado de lá!"

"Krigen" é um ótimo filme dinamarquês escrito e dirigido por Tobias Lindholm. Lançado em 2015, esta obra concorreu o Oscar 2016 na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. 

Não é um filme somente sobre guerra, mas também sobre dilema moral. Aborda temas como ética e integridade nas forças armadas, e provoca uma profunda reflexão sobre direitos humanos em tempos de guerra e quem realmente são as vítimas dos conflitos armados ao redor do mundo. Com certeza foi merecedor da indicação que recebeu.

O filme conta a história de uma companhia militar dinamarquesa operando no Afeganistão em missão para garantir a "paz" dos civis locais e, ao mesmo tempo, intervir contra o regime Talibã. Só ressaltando que, praticamente todo o elenco do filme é composto por soldados dinamarqueses (de verdade) que foram enviados para o Afeganistão.
A história começa entre as montanhas quando um grupo de soldados caminha em direção ao seu objetivo. Tudo corre bem até que Anders (Alex Hogh Andersen) é atingido por uma bomba. 
No QG o comandante Claus Michael Pedersen (Pilou Asbaek) fica abalado com este fato. Todavia, ele passa a fazer patrulhas com os soldados para incentivá-los a seguir na missão. Enquanto Pedersen enfrenta a batalha contra o terrorismo, sua esposa Maria Pedersen (Tuva Novotny) está enfrentando problemas com os filhos em casa.
Sendo o comandante da tropa, Pedersen resolve que vai partir para a ação. Pedersen sai do quartel e passa a fazer o patrulhamento com a tropa. Logo, ele entra em contato com uma família de civis. 
Quando decidiu fazer o patrulhamento e ajudar um cidadão, Pedersen mudou a realidade sem ter o direito de voltar atrás. No entanto, quando o homem vai com sua família procurar ajuda do comandante, ele nega. Algo terrivelmente irá acontecer no dia seguinte, tanto com a família quanto com o grupo de soldados.
E é a partir desse momento que a história muda de foco, passamos da guerra para um drama muito bem elaborado. Pedersen faz algumas escolhas equivocadas. Quando ele pede o bombardeio para defender o seu grupo sob ataque, ele comete um crime de guerra e um crime humanitário. Afinal, ele não tem certeza de nada, apenas arrisca e essa decisão pode colocar em risco a vida de civis.
Quando a missão acaba, Pedersen volta para a casa e é jugado pelo que fez, Pedersen ainda diz mentiras. Algo totalmente contrário ao código e a honra militar. Porém, o peso na consciência irá lhe atormentar...
Filmes nórdicos tem uma visão diferenciada sobre conflitos humanos. Não é diferente com "Guerra". O diretor apresenta um filme forte e cruel, mas sincero ao mesmo tempo. É triste ver cenas de mortes na guerra, mais triste é saber que neste exato momento muitas vidas estão sendo ceifadas por conflitos estúpidos, tudo em nome do poder e ganância humana.
O filme é competente por provocar questionamentos no espectador. Qual é a verdadeira missão de um soldado na guerra? É certo colocar em risco a vida de civis para salvar soldados? Vemos em "Guerra" o descabimento desses conflitos. É pura ilusão acreditar que a guerra pode devolver a paz, muito menos salvar vidas de civis inocentes. 
Também podemos tirar do filme uma lição para nossa vida, às vezes uma escolha boba pode gerar consequências devastadoras na vida de muitas pessoas. Por isso é bom pensar várias vezes antes de tomar qualquer decisão que envolva outras pessoas.
"Guerra" é uma produção 100% da Dinamarca. Um grande exemplar sobre o tema guerra que só tive contato através da sua indicação ao Oscar. Por isso, a premiação máxima do cinema (mesmo com suas falhas) tem me ajudado imensamente na escolha de filmes que jamais conheceria. Além de assistir, repasso a dica através do blog, e assim coloco outras pessoas diante de belas obras que são produzidas em vários cantos do mundo. E todos só tem a ganhar.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 115 minutos
Gênero: Guerra, Drama
Classificação: 12 anos
Minha Nota: 9,3