10/06/2016

Filme: "Deadpool (2016)"

"Com grande poder vem grande irresponsabilidade."

"Deadpool" é o 8° título da franquia X-Men, foi dirigido por Tim Miller e distribuído pela 20th Century Fox. O roteiro ficou a cargo da dupla Rhett Reese e Paul Wernick. Este filme, que traz o (anti-)herói icônico da Marvel, foi a maior bilheteria de estreia de um filme para maiores de 18 anos (aqui no Brasil a classificação é para 16 anos). 

O personagem foi criado em 1991 por Rob Liefeld, um dos quadrinhistas mais polêmicos e criticados das últimas décadas, o personagem passou por significativas mudanças ao longo dos anos. Em 1997, houve uma reviravolta quando o personagem ganhou uma revista própria, escrita por Joe Kelly. A transformação que vinha acontecendo para torná-lo em anti-herói se consolidou e, mais do que isso, o autor inseriu humor negro nas histórias.

Não sou fã dos filmes de super-heróis , mas sempre que posso assisto os filmes sem nenhum preconceito, e "Deadpool" acabou me conquistando. O humor debochado do personagem é algo incomum em filmes de heróis, aqui não existe o "politicamente correto". Se você ainda não assistiu, se prepare então para assistir muitas cenas de violência explícita, numa linguagem chula e com conteúdo sexualizado.
Na trama, Wade Wilson (Ryan Reynolds), um ex-militar e mercenário, é uma pessoa normal. Ele ganha a vida fazendo trabalhos obscuros e seu maior entretenimento é frequentar o bar do amigo Weasel (T. J. Miller), onde, além de beber, faz apostas nas lutas clandestinas que acontecem no estabelecimento.
Após conhecer Vanessa Carlysle (Morena Baccarin), Wade fica completamente apaixonado e o casal vive uma paixão ardente que parece que durará para sempre. Entretanto, o rapaz é diagnosticado com câncer em estado terminal.
Porém, encontra uma possibilidade de cura em uma sinistra experiência científica. Então, ele é cobaia de um experimento para ativar seus genes mutantes. Sua vida é salva e ele passa a ter agilidade fora do comum e a habilidade de se regenerar, mas os responsáveis pelo procedimento esqueceram de lhe informar um pequeno detalhe antes do procedimento: Wade ficaria deformado.
Ele se transforma em um super-herói ou (anti-)herói falastrão, mas que é extremamente letal, e com os poderes adquiridos, se lança em uma trama de vingança contra o homem que destruiu sua vida: Francis (Ed Skrein), que adotou o nome de Ajax.
Acredito que "Deadpool" era exatamente o que os fãs dos quadrinhos esperavam, um filme que mantivesse a fidelidade ao HQ. Nada foi poupado ou deixado de fora, tem cenas pesadas, muitos palavrões, piadas bem sarcásticas e conteúdo adulto. O personagem não tem nenhum pudor, ele fala tudo que lhe vem à cabeça, aliás, Ryan Reynolds é a alma deste filme, não existe outro ator capaz de dar vida ao super (anti-)herói.
Há tempos que não me divertia tanto ao assistir um filme de heróis. "Deadpool" conseguiu arrancar várias gargalhadas com suas doses cavalares de humor negro e cenas de ação, que mesmo sendo artificiais, são bem feitas. Meu destaque vai para a trilha sonora que é formidável e marcante.
"Deadpool" é um filme sem-vergonha, que de tão sem-vergonha conseguiu se tornar inesquecível. Gostei e recomendo.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 108 minutos
Gênero: Ação, Aventura, Comédia
Classificação: 16 anos
Minha Nota: 9,7