07/05/2016

Filme: "A Espinha do Diabo (2001)"

"O que é um fantasma? Uma tragédia condenada a se repetir eternamente? Um momento de dor, talvez. Algo morto que parece ainda viver. Uma emoção parada no tempo. Como uma fotografia borrada. Como um inseto preso em âmbar?"

"El Espinazo del Diablo" é um filme espanhol, sendo o terceiro filme do mexicano Guillermo del Toro, mesmo diretor dos sucessos "A Colina Escarlate" e "O Labirinto do Fauno". Foi escrito pelo cineasta em parceria com Antonio Trashorras, o filme também contou com a produção executiva de Pedro Almodóvar. Seu lançamento aconteceu em 2001.

O cineasta Guillermo del Toro sempre nos presenteia com histórias profundas, bem construídas, fotografias impressionantes e direção cuidadosa. Atualmente, ele vem se perdendo na ficção científica, mas quando o assunto é terror/suspense, o mexicano faz bonito. Sobre o título nada convencional, este se refere a um fato macabro que você entenderá lá pelas tantas do filme.

A trama é contada do ponto de vista de um garoto, Carlos (Fernando Tielve), órfão cujo pai acabara de morrer na Guerra Civil Espanhola (que aconteceu entre as décadas de 30 e 40). Sem saber disso, o menino é deixado num orfanato em meio ao deserto da Espanha.

O orfanato é habitado por crianças cujos pais morreram na guerra, e apenas quatro adultos: a diretora mal-humorada é Carmem (Marisa Paredes), ela usa uma prótese em uma das pernas, o poeta Sr. Casares  (Federico Luppi), professor de ciência e médico nas horas vagas, ele também é apaixonado por Carmem.
Também cuidam do local Jacinto (Eduardo Noriega), o ex-órfão que serve de segurança e sua noiva Conchita (Irene Visedo), uma jovem cozinheira.
Carlos fica amigo de alguns meninos do orfanato por trazer na mala revistas em quadrinhos. Isso causa ciúmes e birra em Jaime (Iñigo Garcés). No entanto, o garoto passa a ser assombrado por uma presença macabra, uma criança descorada, vertendo sangue pela testa, envolto em bolhas de água e que tenta emitir um aviso.
Esse fantasma é Santi (Junio Valverde), que foi assassinado minutos antes da queda de uma bomba no pátio do orfanato. Ela não explodiu com a queda, porém emite sons estranhos. Essa bomba é apenas o simbolismo de algo tenebroso que se esconde por trás da aparente tranquilidade do orfanato. Algo que está prestes a estourar.
"A Espinha do Diabo" é um ótimo filme que mescla terror, drama, guerra e suspense. Os silêncios em determinados momentos e as revelações finais mexem com as emoções do espectador. Já as sequências noturnas protagonizadas por Carlos nos corredores vazios do orfanato são horripilantes, um misto de pavor e curiosidade.
A fotografia deste filme é incomparavelmente bela, enriquecida pelo contraste entre a luz de cor esverdeada que infunde o orfanato durante a noite e o brilho laranja e seco do dia, um contraste de tons espelhados pela história com fundo sobrenatural, produzindo resultados magníficos. A trilha sonora também merece destaque, se encaixa perfeitamente em cada cena.
Falando em sobrenatural, não poderia deixar de destacar os efeitos especiais na construção do fantasma, as aparições de Santi são inquietantes. O garoto fantasma é visto subaquático mesmo estando em pé, as ondas flutuantes misturado ao sangue que jorra da testa dele é impressionante.
Resumindo, "A Espinha do Diabo" é um excelente exemplar do horror psicológico, causa arrepios e emoções na mesma proporção. Gostei bastante do filme e recomendo para todos que apreciam bons filmes.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 106 minutos
Gênero: Terror, Drama, Fantasia, Espiritualista
Classificação: 18 anos
Minha Nota: 9,8

Conteúdo Correspondente