01/04/2016

Filme: "A Dança dos Vampiros (1967)"

"Eu sou uma ave noturna. Não me sinto bem a luz do dia..."

Escrever sobre o filme "Dance of the Vampires" não é uma tarefa fácil, isto porque esse clássico do cineasta polonês Roman Polanski percorre dois gêneros completamente opostos, e não se aprofunda em nenhum deles. Ora é comédia, ora é terror, porém, o filme não conseguiu arrancar risos e muito menos causar sustos (em mim). Lançado em 1967, foi escrito por Gérard Brach juntamente com Roman Polanski, que também atua na trama.

Através deste filme descobri que existe um gênero ou estilo de filme que eu desconhecia, o chamado Camp, derivação da palavra francesa Camper, ou seja, são filmes extravagantes, onde prevalece o exagero. E essa sátira do horror é exatamente assim, aqui tudo é bem exagerado.

Na trama conhecemos Abronsius (Jack MacGowran), um professor universitário especialista em vampiros, que viaja à Transilvânia para comprovar a existência desses seres macabros, acompanhado de seu fiel e medroso assistente Alfred (Roman Polanski).
Ao chegarem à estalagem de Shagal (Alfie Bass), eles notam alhos pendurados nas paredes, indicativo de que os vampiros não devem estar longe, ainda que ninguém confirme a presença destes seres no povoado.
Enquanto Abronsius só pensa em capturar vampiros, Alfred fica apaixonado pela bela Sarah (Sharon Tate), filha única do dono da hospedagem.
Quando o terrível Conde von Krolock (Ferdy Maine) ataca o local e rapta Sarah, os dois caçadores de vampiros vão até o castelo do vampiro, tendo que enfrentar uma remessa de criaturas da noite em um baile nada convencional.
Evidentemente o ponto alto do filme "A Dança dos Vampiros" é o baile de gala, onde todos os vampiros convidados surgem de suas tumbas, fazendo um gigantesco cerimonial de dança como se estivessem na corte praticando as coreografias de época.
Polanski recebeu cerca de 2 milhões de dólares para gastar, e decidiu fazer um filme perfeito. Com completo domínio narrativo, cenários vistosos, fotografia à cores, locações nos Alpes, vestuário elaborado e coreografia adequada para um determinado período épico, entregou exatamente a sua visão detalhadamente planejada, colocando mais de si neste filme do que já havia feito anteriormente. Porém, o cineasta acabou tendo vários problemas após o filme finalizado, a MGM praticou diversas mudanças e edições na obra, e quando foi lançado havia duas versões: uma americana e outra europeia, e mesmo a crítica ter sido negativa, "A Dança dos Vampiros" foi um sucesso de público, tornando-se um clássico do gênero.
"A Dança dos Vampiros" também trouxe um grande amor para a vida perturbada de Roman Polanski, foi através deste filme que o cineasta conheceu a belíssima Sharon Tate e os dois logo emendaram um romance que virou casamento.
Tudo parecia um conto de fadas, mas o destino às vezes é cruel e traiçoeiro, a história de amor do casal seria curta, duraria apenas dois anos e acabaria com o brutal assassinato da jovem atriz, em 1969, grávida de oito meses, pelos seguidores da seita fundada pelo psicopata Charles Manson. "A Dança dos Vampiros" é o primeiro filme que assisto de Sharon Tate, relutei bastante até conseguir assistir algum filme dela, pois o primeiro contato que tive com ela foi a vários anos atrás, quando estava lendo curiosidades na Internet e me deparei com a imagem dela assassinada, foi um choque descobrir a maneira monstruosa como esta talentosa atriz deixou este mundo. E finalizo a postagem homenageando Sharon Tate, que onde quer que esteja, está em paz e com seu bebezinho no colo. 
Enfim, "A Dança dos Vampiros" é uma sátira de terror indispensável para todos, possui uma produção requintada, figurinos elegantes, piadas inteligentes e excelentes atuações.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 108 minutos
Gênero: Terror, Comédia, Clássico
Classificação: Livre
Minha Nota: 9,2

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo Correspondente