18/03/2016

Filme: "Pacto Sinistro (1951)"

"Não se preocupe, não vou atirar em você. Poderia incomodar minha mãe."

"Strangers on a Train" é mais um clássico dirigido pelo gênio Alfred Hitchcock, que acaba de entrar para minha lista de 'filmes preferidos' ao lado de tantos outros filmes do diretor (é mais fácil listar os filmes que não funcionaram comigo, pois a lista é bem menor). Neste incrível suspense policial, a ambiguidade extrapola os sentidos dos personagens duplos, é como se fossem a mesma pessoa dividida em duas. Lançado em 1951, contou com um roteiro escrito por Whitfield Cook e Ben Hecht foi baseado em livro de Patricia Highsmith. Recebeu indicação ao Oscar 1952 na categoria de Melhor Fotografia em Preto e Branco.

Na trama, dois estranhos se conhecem durante uma viagem. Guy Haines (Farley Granger) é um tenista profissional que acaba conhecendo Bruno Antony (Robert Walker), um rico perdulário, em um trem.
Ao ler uma nota no jornal sobre Guy, Bruno está sabendo que o jogador de tênis é casado com Miriam (Kasey Rogers) e está tentando se divorciar dela para assumir o romance com Anne Morton (Ruth Roman), a filha de um senador.
Bruno então revela para Guy que odeia seu pai. Guy escuta aquele estranho discursar sobre a teoria da 'troca de assassinatos'. Supondo que Bruno matasse Miriam e Guy, em troca, assassinasse o pai de Bruno, não haveria conexão entre os assassinos e suas vítimas e no momento das mortes os interessados teriam álibis que os deixariam livres de qualquer suspeita.
Ao chegar no seu destino, Guy se despede de Bruno e esquece a teoria homicida, afinal, considerou uma piada. Entretanto, Bruno entendeu que havia um pacto entre eles. Guy então fica paralisado ao saber que Bruno levou a proposta a sério e estrangulou Miriam num parque de diversões.
Guy, evidentemente, é o principal suspeito do crime, afinal, só tinha a ganhar com a morte da esposa. Todos sabiam que ele desejava o divórcio para conseguir se casar com a nova namorada, e que Miriam estava se recusando a assinar a papelada. Diante disso, a polícia manda um detetive acompanhar Guy em todos os seus momentos. O tenista ainda precisa enfrentar as ameaças de Bruno, que exige o cumprimento da teoria homicida.
"Pacto Sinistro" é um filme de Hitchcock pouco conhecido do grande público, alguns até imaginam que esta obra seja de menor importância em relação aos outros clássicos do mestre do suspense, porém, este filme apresenta tantas genialidades e soluções criativas que merece ser conhecido por todos, e já faz parte do meu ranking de filmes preferidos. 
Hitchcock usa e abusa do jogo de sombras de maneira sensacional, ele também faz uso de simbologias e ângulos incríveis durante todo o filme. O destaque é para a cena do parque de diversões em que vemos tudo projetado no óculos de Miriam.
E ao analisarmos o personagem Bruno Antony, percebemos que ele gosta de agir nas sombras, é extremamente ligado à mãe e adora correr riscos. O ator Robert Walker deu vida ao Bruno de tal forma que chegamos a torcer por ele, mesmo sabendo que é doentio e obsessivo. 
Também vale destacar a cena do carrossel, que para a época foi um verdadeiro marco, onde um símbolo de diversão e ingenuidade foi capaz de transmitir ao espectador elevadas doses de tensão. Uma curiosidade interessante é a participação de Patrícia Hitchcock, filha de Alfred Hitchcock, ela interpreta Barbara Morton, irmã de Anne Morton.
"Pacto Sinistro" é um grande film-noir e uma obra-prima de Hitchcock que usou um nível impressionante de refinamento na composição visual de sequências inesquecíveis. A cena inicial é antológica, daquelas que, após ver jamais esqueceremos (não vou descrevê-la para não estragar a surpresa).
Por fim, "Pacto Sinistro" é um clássico espetacular que merece ser assistido por todos os apreciadores do cinema de qualidade.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 101 minutos
Gênero: Film-Noir, Policial, Thriller, Clássico
Classificação: 16 anos
Minha nota: 10,0 

Nenhum comentário:

Postar um comentário