27/02/2016

Filme: "Creed: Nascido para Lutar (2015)"

"Um grande lutador disse, certa vez: O importante não é a força do seu golpe, é o quanto aguenta ser golpeado... e continuar lutando."

"Creed" é, antes de mais nada, um filme nostálgico, pois já de início, testemunhamos o jovem Creed assistindo em um telão a segunda luta entre seu pai, Apollo – O Doutrinador, e Rocky Balboa. Lançado em 2015, este filme tem a responsabilidade de honrar um legado que possui seis filmes da saga Rocky e, ao mesmo tempo, construir um novo legado a partir de seu próprio nome.

Escrito e dirigido por Ryan Coogler, co-escrito por Aaron Covington e produzido por Sylvester Stallone, que também atuou na trama. Recebeu indicação ao Oscar 2016 na categoria de Melhor Ator Coadjuvante, além de ser premiado nesta mesma categoria em vários outros eventos importantes do cinema.

A trama nos leva para a cidade de Los Angeles em 1997, lá, um jovem órfão negro, filho de Apollo Creed, passa de orfanato a orfanato, com diversas paradas em reformatórios para menores. É em um desses reformatórios que Mary Anne Creed (Phylicia Rashad), ex-mulher de Apollo, encontra o garoto Adonis Creed (Alex Henderson).
Ela o acolhe em sua casa e lhe conta toda a história de seu pai. Mary Anne, então, educa o menino para ser um bom homem, mas Adonis carrega no sangue o espírito de lutador de seu pai. O tempo passa, e Adonis  (Michael B. Jordan), agora adulto, participa de lutas clandestinas.
Evidentemente, Adonis carrega o peso do legado de seu pai. Com receio de toda a responsabilidade que o nome ‘Creed’ lhe traz, Adonis adere o sobrenome de sua mãe: Johnson. E segue rumo à Philadelphia. Lá ele encontra Rocky Balboa (Sylvester Stallone), um grande amigo de seu pai. Rocky aceita treiná-lo.
Rocky Balboa não conseguiu estabelecer um relacionamento com seu filho e perdeu todas as pessoas próximas a ele. Diante disto, vê no jovemAdonis  a força e determinação, que uma vez ele viu em Apollo.
A trama se revesa entre os treinos de Adonis e um belo romance que o lutador tem com a musicista Bianca (Tessa Thompson). Uma jovem forte e independente, diferente da tímida Adrian, namorada de Rocky Balboa, lá no primeiro filme da franquia.
"Creed: Nascido para Lutar" tem um roteiro rico que traz diversos pontos e aborda-os organicamente, inserindo homenagens sutis a toda saga nesse meio tempo deixando a obra ainda mais interessante. A trilha sonora também merece destaque, as músicas ficaram a cargo do compositor Ludwig Göransson que mesclou elementos da trilha original de Bill Conti junto com os gêneros de sua área: Hip Hop, trap e R & B.
Lá pelas tantas do filme, é adicionada uma nova adversidade dentro da história, criando uma nova luta para Rocky. Enquanto Adonis Creed luta por glória e reconhecimento, Rocky Balboa luta pela vida. Stallone não desperdiçou a oportunidade e fez aqui uma interpretação memorável, definitivamente, Sylvester Stallone nasceu para ser Rocky.
"Creed: Nascido para Lutar" não perdeu sua essência autoral e é um excelente recomeço para a franquia. Trazendo uma história simples que muito se assemelha a original, aonde um 'Zé Ninguém' tem a chance de lutar contra o atual campeão mundial. Uma história que não só vai fazer os fãs vibrarem como se estivessem no ringue vendo a luta ao vivo (foi o que aconteceu comigo), como também trará novos admiradores para a franquia.
E no meio desta moda hollywoodiana de filmar remakes ou trazer continuações, "Creed: Nascido para Lutar" é a prova viva de que, quando um filme é feito por paixão, consegue conquistar todas as gerações. Entrou para o rol dos meus favoritos, juntamente com "Rocky: Um Lutador" de 1976.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 133 minutos
Gênero: Drama, Esporte
Classificação: 12 anos
Minha Nota: 10,0

Um comentário:

  1. É muito bom filme, eu realmente gostei, filmes Rocky Balboa são divertidos e deixar uma mensagem, eu cresci com eles, tem um dos melhores discursos que eu vi, muito reconhecimento de tudo uma história de sucesso, ganhou, fala-aperfeiçoamento, o conhecimento de nós, os sonhos que podemos alcançar, acho que em Creed Nascido para lutar o drama é bem dosado com uma história de amor que experiente muito bem ver o Sr. Stallone é a alma da sequela é uma jóia, eu estava à beira das lágrimas de tanta nostalgia, são tiros espectaculares lutas é uma garantia.

    ResponderExcluir