05/01/2016

Filme: "Lawrence da Arábia (1962)"

"Pode haver honra entre ladrões, mas não entre políticos."

Existem alguns filmes que considero perfeitos, o clássico "Laurence of Arabia" é um deles. Um verdadeiro espetáculo cinematográfico que faz parte da Era das produções grandiosas. A riqueza dos detalhes é impressionante, merecendo o título de 'épico dos épicos'.

Dirigido brilhantemente por David Lean, o roteiro foi escrito por Robert Bolt e Michael Wilson sendo baseado nos textos do próprio Lawrence. O lançamento aconteceu em 1962. Recebeu indicações ao Oscar nas categorias de Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Roteiro Adaptado. Venceu nas categorias de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Edição, Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia Colorida, Melhor Trilha Sonora e Melhores Efeitos Especiais. Além de dezenas de outros prêmios importantes do cinema pelo mundo afora.

A trama começa em 19 de maio de 1935, quando pilotava sua motocicleta, T. E. Lawrence (Peter O'Toole) acaba perdendo a vida em um acidente, em Dorset e, em seu funeral, é lembrado de várias formas.
Através de flashbacks, voltamos no tempo até Cairo de 1916, onde o oficial britânico T. E. Lawrence, insatisfeito com o trabalho de cartógrafo do exército, aceita uma missão como observador na Arábia.
Sua missão consistiria em encontrar o Príncipe Feisal (Alec Guinness), conseguir seu apoio e servir como um emissário de ligação entre britânicos e árabes. No deserto seu guia beduíno, Tafas (Zia Mohyeddin), é morto, Lawrence conhece o Xeque Ali Ibn el Kharish (Omar Sharif).
Xeque Ali Ibn el Kharish se oferece para levá-lo até o Príncipe Feisal, mas Lawrence não aceita. Continuando só, ele se encontra com o coronel britânico Harry Brighton (Anthony Quayle), que lhe diz que Feisal o está esperando.
Ao chegarem à tenda de Feisal, enquanto o príncipe quer o apoio dos britânicos para o ajudarem a tomar Aqaba dos turcos, o coronel Brighton está mais preocupado em defender os interesses britânicos no Canal de Suez.
Depois de tanto insistir, Feisal termina por concordar. Assim, sem o conhecimento do coronel Brighton, Lawrence parte para Aqaba com os homens de Feisal. A eles, junta-se o Xeque Ali para a travessia do deserto, reafirmando a Lawrence que a missão é suicida.
Após superarem todo tipo de dificuldades, inclusive tempestades de areia e ciclones, o grupo encontra-se com o avarento Auda abu Tayi (Anthony Quinn), chefe árabe do clã Howeitat, mercenário que trabalha para os turcos.
Usando diplomacia e suborno, Lawrence termina por unir as facções rivais de Feisal e Auda abu Tayi na luta contra os turcos otomanos, montando uma força de guerrilheiros poderosa. Depois de conquistar Aqaba, Lawrence retorna ao Cairo, onde é promovido a Major. Entretanto, torna-se um involuntário títere dos Aliados.
Durante 227 minutos de duração somos agraciados com lindos planos que aproveitam o nascer do sol e a exuberância daquele mar de areia. Contando ainda com a deslumbrante fotografia, o cineasta criou um visual arrebatador, que se confirma até mesmo nas cenas noturnas, que servem para criar um contraste com a luz poderosa das cenas diurnas.
Magro, carismático e com uma doçura no olhar, Lawrence é um personagem repleto de nuances, que, contrariando sua aparência frágil, lentamente descobre sentir prazer ao matar seus inimigos. Apesar de se assustar num primeiro momento, Lawrence confirma este sentimento numa das batalhas.
"Lawrence da Arábia" é um épico grandioso que retrata a vida de um personagem complexo, repleto de qualidades e defeitos como qualquer ser humano. Resultando num filme empolgante, repleto de cenas marcantes e que, mesmo com quase quatro horas de duração, consegue cativar o espectador sem se tornar cansativo.
Escrever sobre "Lawrence da Arábia" é uma das tarefas mais difíceis, pois qualquer texto será sempre superficial diante da plenitude do filme. É impossível mencionar em palavras a profundidade dessa lenda filmística tão presente na vida de todos os admiradores da sétima arte. Para entendê-lo é necessário senti-lo, sendo dessa forma um filme sensorial. Enfim, é um filme para continuar assistindo sempre.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 216 minutos
Categorias: Biografia, Aventura, Drama, Clássico
Classificação: 14 anos
Minha Nota: 10,0

Nenhum comentário:

Postar um comentário