13/01/2016

Filme: "Joana D'Arc de Luc Besson (1999)"

"Não é o meu corpo que eu quero salvar. É a minha alma."

"The Messenger: The Story of Joan of Arc" em tradução livre seria "A Mensageira: a História de Joana d'Arc", mas enfim, nunca vamos entender o que se passa na mente desses tradutores. Sobre o filme, temos aqui um épico bonito, não se trata de um filme histórico, mesmo assim não perdeu sua grandiosidade. 

Este filme francês foi dirigido pelo renomado cineasta Luc Besson (por isso seu nome está no título brasileiro), o diretor também escreveu o roteiro em parceria com Andrew Birkin. O lançamento aconteceu em 1999.


O ano é 1412. Nasce em Domrémy, na França, uma menina chamada Joana. Ainda jovem, ela desenvolve uma religiosidade tão intensa que a fazia se confessar algumas vezes por dia.
Os tempos eram árduos, pois a Guerra dos Cem Anos com a Inglaterra se prolongava desde 1337. Em 1420, Henrique V e Carlos VI assinam o Tratado de Troyes, declarando que após a morte de seu rei a França pertencerá a Inglaterra.
Todavia, ambos os reis morrem e Henrique VI é o novo rei dos dois países, mas tem poucos meses de idade e Carlos (John Malkovich), o delfim da França, não deseja entregar seu reino para uma criança. 
Assim, os ingleses invadem o país e ocupam Compiègne, Reims e Paris, com o rio Loire detendo o avanço dos invasores. Carlos foge para Chinon, mas ele deseja realmente ir para Reims, onde por tradição os soberanos franceses são coroados, mas como os ingleses dominam a região, isto se torna um problema.
Até que surge Joana (Milla Jovovich) que, além de se intitular a "Donzela de Lorraine" tinha uma determinação inabalável e dizia que estava em uma missão divina, para libertar a França dos ingleses.
Desesperado por uma solução, o delfim resolve lhe dar um exército, com o qual ela recupera Reims, onde o delfim é coroado Carlos VII. Mas se para ele os problemas tinham acabado, para Joana seria o início do seu fim.
Conforme mostrado no filme, desde criança Joana d`Arc foi muito ligada às questões religiosas, ela frequêntava assiduamente a igreja. E no mesmo dia em que teve sua primeira visão, ela testemunhou o estupro e a morte da irmã por um invasor inglês, durante muito tempo ela se culpou por este acontecimento.
Como os fatos retratados no filme não são verídicos, a trama mostra diversas interpretações para as visões tidas por Joana: poderiam ser simplesmente frutos de uma loucura ou do seu desejo de vingança contra os ingleses; poderiam também ser situações banais que ganharam ares sobrenaturais.
"Joana D'Arc de Luc Besson" explora questionamentos bem interessantes que provoca reflexões nos espectadores. Além de desmontar os significados que foram atribuídos à morte de Joana ao longo dos séculos. Ela deixa de ser mártir para se tornar vítima de um contexto que ela não compreendia.
"Joana D'Arc de Luc Besson" não é nenhuma obra-prima do cinema, mas merece ser apreciado por todos que gostam de bons filmes. Mesmo sendo longo (158 minutos) gostei e recomendo.

Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 148 minutos
Gênero: Biografia, Épico, Drama, Aventura
Classificação: 12 anos
Minha Nota: 8,6

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conteúdo Correspondente