02/03/2015

Filme: "Camille Claudel (1988)"

"Nunca pense em superfícies e sim em profundidades."

Quando decidi assistir "Camille Claudel" imaginei que seria mais uma biografia da qual eu não conhecia, mas eis que vem a surpresa, um filme fantástico e intenso, com atuação magistral de Isabelle Adjani, que merece todos os aplausos. Este filme francês foi dirigido por Bruno Nuytten e seu lançamento aconteceu em 1988. Recebeu indicações ao Oscar nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Filme Estrangeiro.

A trama resume a trajetória de vida da escultora Camille Claudel (Isabelle Adjani), uma linda jovem francesa que aos 17 anos de idade se muda para Paris. Algum tempo depois, ela conhece um dos maiores artistas do seu tempo, Auguste Rodin (Gerárd Depardieu), de quem se torna assistente e musa inspiradora.
O ano é 1885, a família de Camille é totalmente contra a jovem ser assistente de Rodin, já temendo pela reputação da moça. Camille tinha apenas 19 anos e Rodin, 45 anos, quando aconteceu o primeiro encontro.
Rodin era casado com Rose Beuret (Danièle Lebrun) e tinha um filho. Em 1888, Camille completamente apaixonada pelo professor, decide sair da casa dos pais e morar numa casa alugada pelo amante.
O casal passa a frequentar locais públicos e eventos, isso escandaliza a sociedade parisiense da época. Essa fase também marca as intensas obras sensuais produzidas pela aluna e pelo mestre.
No entanto, Camille começa a se sentir sozinha e o relacionamento com Rodin a deixa deprimida. Seu maior sonho era casar-se com seu amado, mas este jamais abandou a esposa legítima. Em 1892, Camille Claudel sofre um aborto, deixando-a completamente abalada.
Em 1898, após 15 anos de um relacionamento destrutivo, Camille decide abandonar a casa onde vivia e sair da vida de Rodin. É durante esse período que a artista produz a maior quantidade de esculturas, pois está determinada em esquecer o amante e mergulha de cabeça no trabalho.
Camille Claudel passa a viver trancada em seu ateliê, e tinha apenas a companhia dos seus gatos de estimação. Ela começa a enfrentar sérios problemas financeiros e entrega-se ao vício do alcoolismo.
A escultora tenta expor suas obras na Exposição Universal, mas após ser recusada, passa a acreditar que existia um complô de Rodin contra ela. Revoltada, ela se isola cada vez mais das pessoas.
Em 1906, Camille Claudel esculpe sua última escultura, após isso, ela destrói todas as obras que produz. A partir daí, suas angustias se transformam em uma psicose.
E no dia 10 de março de 1913, a pedido da família, que arranjou uma certidão médica, Camille Claudel é levada à força para o hospício, onde permaneceu por 30 anos, vindo a falecer em 1943, aos 73 anos de idade, sem jamais ter voltado a esculpir.
"Camille Claudel" mostra uma artista incompreendida em sua época, mas acima de tudo apresenta uma mulher que se entregou de corpo e alma a uma grande paixão, que se transformou em loucura, sendo a grande ruína dessa artista.


Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 175 minutos
Gênero: Biografia, Histórico, Drama
Classificação: 12 anos
Minha Nota: 9,6