13/01/2015

Filme: "Videodrome - A Síndrome do Vídeo (1983)"

"Primeiro ele controla a sua mente... Depois ele destrói seu corpo."

"Videodrome" é um dos filmes mais loucos que assisti, mas quando se trata do cineasta David Cronenberg já podemos esperar os acontecimentos mais bizarros possíveis em suas obras. Quem assistiu "Gêmeos - Mórbida Semelhança" e "Crash - Estranhos Prazeres" sabe perfeitamente do que estou falando. Este filme se tornou Cult devido ser uma obra diferenciada, misturando terror, ficção científica, sexo, muita violência e surrealismo. David Cronenberg é considerado o mestre da bizarrice por abordar assuntos polêmicos e nada convencionais, que despertam o interesse dos críticos e do público. O lançamento do filme aconteceu em 1983.

A história gira em torno do empresário Max Renn (James Woods), proprietário de uma pequena estação de TV a cabo conhecida por Civic TV, especializada em apresentar vídeos de sexo e violência em sua programação.

Em certa ocasião, Max recebe uma informação que lhe interessa bastante, seu técnico Harlan (Peter Dvorsky) diz que a emissora está captando imagens de um programa clandestino que fazia filmes snuff movies (mortes reais de pessoas como entretenimento).
Ao investigar os vídeos, Max descobre que a transmissão é um show de televisão chamado Videodrome, uma espécie de arena de vídeos que transmite imagens capazes de alterar as percepções de quem está assistindo.
Esses vídeos causam diversos danos no cérebro como tumores fatais, além de criar uma série de alucinações bizarras numa mórbida confusão mental entre realidade e fantasia.
As coisa começam a ficar sérias para Max quando sua namorada Nicki Brand (Deborah Harris) é seduzida pelas imagens do programa de TV. Ela é uma radialista sadomasoquista e sofrerá os efeitos do Videodrome.
O próprio Max se torna escravo do Videodrome e passa a ser manipulado pelos criadores do programa a eliminar seus sócios Moses (Reiner Schawrtz) e Raphael (David Bolt) e assim utilizar o canal a cabo para divulgar os vídeos ilegais.
Max começa a ter terríveis alucinações e vê seu corpo todo deformado. Então decide procurar o Professor Brian O'Blivion (Jack Creley) e sua filha Bianca (Sonja Smits) que possuem informações importantes sobre o programa. Além de entrar em contato com o inescrupuloso Barry Convex (Leslie Carlson).
E ele descobre que a única alternativa para derrotar seus inimigos era usar seu próprio corpo mutante.
"Videodrome - A Síndrome do Vídeo" não é o melhor trabalho do cineasta, porém, é o mais perturbador de todos os filmes que assisti de Cronenberg.

Com cenas fortes e uma loucura desenfreada, o filme é complexo e recheado de mensagens subliminares (difícil captar todas, mas elas estão ali na sua frente). Para assistir esta obra é muito importante prestar atenção em todos os detalhes, porque de previsível este filme não tem nada.
Mais detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 89 minutos
Gênero: Ficção Científica, Terror, Cult
Classificação: 18 anos
Minha Nota: 9,0