19/01/2015

Filme: "Carne Trêmula (1997)"

"Pessoas como eu ou você não nasceram para amar."

"Carne Trêmula" é denso, impactante, sensual, hipnótico, com personagens marcantes e roteiro intrigante. Características que descrevem o estilo almodovariano, trazendo para a telona todos os conflitos das relações humanas.

Escrever sobre filmes é algo prazeroso, mas escrever sobre filmes de Pedro Almodóvar é fascinante, pois trata-se de um dos melhores cineastas da atualidade. O diretor tem o dom de prender a atenção do espectador desde a primeira cena, ficamos hipnotizados e quando o filme termina, ficamos olhando as letrinhas subirem na tela, não acreditando que o filme acabou tão rápido.

Esse filme formidável teve seu lançamento em 1997 e foi o primeiro trabalho praticamente perfeito que colocou o cineasta entre os melhores diretores da atualidade.

A história tem início em na cidade de Madri. É janeiro de 1970 e Isabel (Penélope Cruz) acaba dando à luz ao seu primeiro filho no ônibus e lhe dá o nome de Victor.

Após vinte anos, Victor (Liberto Rabal) é um jovemque busca desesperadamente encontrar Elena (Francesca Neri), a mulher com quem ele teve a primeira relação sexual. O rapaz invade o apartamento da moça e ocorre uma briga séria entre eles, deixando os vizinhos assutados, que chamam a polícia.
David (Javier Bardem) e Sancho (José Sancho) estavam passando pela vizinhança e atendem a ocorrência. Quando os policiais entram no apartamento, Victor se apavora e aponta a arma para Elena.
David tenta acalmar a situação e quando que tudo parecia resolvido, eis que Sancho vai para cima de Victor e o revolve dispara acidentalmente ferindo David. O policial fica paraplégico e Victor vai para a prisão. Elena se casa com David.
Após passarem seis anos, Victor ganha a liberdade e a primeira coisa que faz é visitar o túmulo da mãe, no entanto, ele descobre que o pai de Elena estava sendo enterrado no mesmo cemitério. Victor se aproxima dela e fala que ainda a ama, mas Elena fica nervosa com a situação.
Todos vão embora, só Victor fica no cemitério e Lara (Ángela Molina) chega atrasada para o funeral, ambos acabam se conhecendo, se tornam amigos e em pouco tempo, amantes. O problema é que Lara é a esposa de Sancho.
A partir desse momento, o destino destas cinco pessoas se cruzam.

"Carne Trêmula" é um filme sobre paixões ardentes, amor, obsessão, sexo, crimes e tragédias. Um filme intenso do início ao fim, e são tantos acontecimentos inesperados e reviravoltas que o espectador não consegue nem piscar os olhos.
Os personagens são tão reais que em certos momentos existem identificação pessoal com o público. O cineasta também faz das mulheres as referências centrais de todos os seus filmes, usando-as como porta-voz da insatisfação de seus sentimentos. Cada segundo de ousadia é o preenchimento de algo que faltava em suas vidas cotidianas.
Acredito que um filme desse calibre seja o sonho de todo diretor de cinema, unir uma história inteligente e impactante com seu próprio estilo.

"Carne Trêmula" um filme de qualidade. Onde um simples fato desencadeia uma série de consequências nos diferentes tipos de relacionamentos humanos. E como já citei acima, enquanto as letrinhas sobem, ficamos ali na frente da tela, refletindo, digerindo, analisando tudo o que acabamos de ver, é como se a nossa própria identidade fosse desnuda por estes personagens marcantes e inesquecíveis.
Mas detalhes do filme na página do IMDb

Duração: 103 minutos
Categoria: Drama
Classificação: 18 anos
Minha Nota: 10,0